"acho que também preciso de você"

Depois de uma longa leitura, o livro acaba assim. A última frase é esse título.
Confesso que comecei a ler meio desanimado. Não estava a fim de lê-lo. Mas, de certa forma algo foi me chamando a atenção ao longo das páginas. Cada página virada era uma expectativa diferente pro reencontro de Pat com Nikki.
Mas o que nós não entendemos é que, às vezes, as coisas boas tem um fim. As chances são únicas, as pessoas não estão sempre à porta esperando nossa mudança, para então permitir-nos abrir e deixá-las participar da nossa vida. As coisas passam, e se não aprendermos a entender a dor que o passado pode causar, nunca iremos valorizar o que temos hoje. Soa meio clichê, mas é verdade.
O passado, às vezes, dói. Principalmente quando ele não pode ser consertado. Quando temos, apenas, que aceitar as coisas que aconteceram, da forma que aconteceram.

O que me deixa mais deslumbrado, é aquele final que os livros deixam. Aquele silêncio que reina após fechá-los. E a trama continua em nossa mente. Nós vamos imaginando como será dali pra frente. Isso nos transporta para algum lugar. Lugar este que, quase sempre, nos deixam com aquele sorriso bobo.

Depois de ler “O lado bom da vida”, fui comparar com algumas coisas que aconteceram comigo.
E entendi que talvez seja melhor encerrar o filme por aqui e começar outro. Ficar tentando consertar erros passados, pode trazer-me mais sofrimento.
Talvez o melhor fim seja esse. Nem sempre o final feliz é aquele que acaba com todos os problemas resolvidos e as coisas acertadas. Quem sabe o fim pode ser aquele que aprendemos a nos contentar que nem todas as vezes conseguimos controlar tudo que acontece. Afinal, nem todos os desfechos são perfeitos.
Temos, apenas, que aprender a lidar com as coisas da melhor forma possível. Enxergando o lado bom da vida.

[editado]

primeiro do ano

Terminei de lê-lo, finalmente.

Por pouco ele não ficou pela metade, como muitos livros que já li. Mas esse… esse não merecia.
Desde que comecei a ler, me surpreendo a cada página virada e a cada sentimento que todas essas folhas trazem consigo…
E já vou dizendo, se for escolher um livro de ficção para ler esse ano, leia esse. Sem a menor dúvida.
O livro começa falando sobre Mack e é em torno dele que toda a história gira.
De uma forma brutal, sua filha caçula foi assassinada numa velha e abandonada cabana. Das poucas provas que puderam ser encontradas, está um broche, o sapato dela jogado no meio do mato e o vestido ensaguentado que o assassino deixara para trás nessa cabana. O corpo, ninguém encontrou.
Esse foi um dos motivos pelo qual Mack não se conforma e se sente dominado por A Grande Tristeza.
Depois de algum tempo questionando Deus e a si mesmo, ele recebe uma carta em sua caixa de correio, num dia de inverno. Era uma carta escrita por Deus, convidando-o para que passasse um fim de semana com Ele, na cabana.
[…]
Não vou contar muito não é? Você ainda precisa ler! rs
Mas a parte do livro que mais me emocionou, foi quando Jesus o convida para andar sobre as águas juntamente com ele, para um passeio até o outro lado do lago…
Lá pro final do livro, no último trecho:

Estou convencido de que Mack e Nan ainda vão lá algumas vezes, à cabana, só para ficarem a sós. Não me surpreenderia se soubesse que ele anda até o velho cais, tira os sapatos e as meias e, você sabe, põe os pés na água só para ver se… bem, você sabe…

Acho que não preciso dizer mais nada… 
Acho que as últimas páginas do livro por si só, faltam saltarem para sua mente.
É como uma explosão de sentimento e curiosidade.
Sinto-me dentro dessa história. Sinto que esse final de semana, fez sentido não somente para Mack, mas para mim também…
P.S.: Algumas coisas no livro, eu não concordei. Mas digamos que, quase o livro inteiro é maravilhoso. rs.

primeiro do ano

Para compensar ano passado – que não li nenhum, NENHUM, livro -, comecei ler A Cabana.
Logo de cara, no prefácio, já ganhou minha atenção e numa só noite li mais de sessenta páginas.
Pretendo terminar de lê-lo antes de domingo. Quando terminar, eu posto aqui um resumo comentando o que eu achei…

Só queria compartilhar a alegria de ter voltado a ler, depois de um ano parado (rs).

releitura

E a saga pela tentativa de conseguir ler mais um livro continua. Depois de algum tempo tentando ler e parar no quinto capítulo, decidi que vou recomeçar a leitura.
A tag “um trecho”, vai lotar aqui no blog, pois sei que vou ler muita coisa interessante e eu gostaria de compartilhá-las aqui.
Depois desse post, muita coisa mudou…
Por menor que fosse aquele post, era muito significativo e cada palavra que eu disse aqui, foi de grande importância para mim.
Mas como eu mesmo disse, muita coisa mudou – pra melhor.
Fiquei algum tempo sem postar como antes e isso me fez perder, digamos assim, a inspiração… rs
Farei o possível para postar todos os trechos que forem, realmente, significativos – sei que será praticamente tudo, mas tentarei não colocar tantos trechos.
Ah, quase esquecendo de falar o nome do livro, “O Grande Conflito”, um livro sensacional.