e é por isso que te amo

“Eu poderia me sentir culpado por me apaixonar ao primeiro sorriso, mas confesso não ver graça em uma vida em que eu teria que controlar meus ímpetos emocionais. As pessoas cessam paixões loucas e amores passageiros com receio de perder o que alguns chamam de valor. Limitar-se a não sentir emoções únicas por uma preocupação com o pré-julgamento dos outros é abrir mão de coisas inestimáveis da vida.”

– Frederico Elboni

sobre a opinião alheia

Não dê sua opinião sobre o relacionamento alheio, sobre a viagem que não é sua, sobre como alguém pica cebolas.
[…] Mas a melhor coisa que cada um de nós pode fazer é ficar quieto. Não dizer nada sobre isso. Sobre como a gente faria melhor. Como a gente seria mais feliz, aproveitaria mais, se machucaria menos.
Não.
Tá todo mundo tentando do jeito que consegue, do jeito que sabe fazer. Uma hora a gente acerta.
Se não vai fazer diferença nenhuma na sua vida, shh, é melhor só dar a mão e não a opinião.

o que é preciso…

Mas o que é preciso para, de fato, se mover? Penso que, para que exista uma mudança real de posição e de lugar, é preciso perceber o pequeno, o quase invisível de nossa realidade externa e interna. É pelos detalhes que enxergamos a trama maior, é na soma das sutilezas que a vida se desenrola, são as subjetividades que determinam um destino. É preciso desacontecer um pouco para ser capaz de alcançar a delicadeza dos dias.

– Eliane Brum