casinha

Dia de chuva, grama brilhando, cheiro de terra molhada, brisa fria, céu nublado… Hoje o dia amanheceu frio, as portas e janelas permaneceram fechadas. Dá pra ouvir o vento passando pelo telhado, as árvores acompanham o ritmo do vento. Um típico dia chuvoso e despretensioso.

Estou indo em direção àquela casinha antiga, feita de madeira, com telhado escuro e janelas pequenas. Fica logo atrás das colinas, lugar onde eu costumava ir para ver o sol se por, ouvir música, ler um livro, cantarolar minhas músicas preferidas… Sinto como se a caminhada fosse um pouco mais longa do que costumava ser, tudo parece ter mudado e milhares de lembranças vêm a minha mente… Como será que ela está? Qual será a sensação de estar entrando nela depois desse tempo todo? Será que a chave ainda abre aquela fechadura? Aquele tapete ainda fica na porta de entrada?

A caminhada está quase acabando e o frio começa a querer me impedir de continuar, quase que de forma proposital. Me embrulho um pouco mais no casaco, coloco as mãos nos bolsos e continuo andando. Já estava quase anoitecendo e, de longe, consigo avistar aquela casinha. Meu pequeno refúgio de alguns poucos metros quadrados onde eu costumava me esconder do mundo e achar que nada poderia me alcançar desde que eu estivesse ali dentro. Tanto tempo, tantas chuvas e ela ainda continua ali, de pé.

Por um momento fecho os olhos e consigo imaginá-la toda arrumada, os vidros embaçados com gotas d’água escorrendo pela janela, cobertor macio, chocolate quente, meias nos pés e minha música preferida tocando no quarto.

Hoje parece estar tão vazia, bagunçada e atacada pelo tempo. Aquela reforma planejada – que já foi escrita por aqui –  ficou pela metade, tive que me mudar depressa. Deixei tudo como estava, fechei a porta e segui em frente, sabendo que não deveria voltar ali nunca mais. E eu não sei… na verdade, nós não sabemos. As coisas foram simplesmente acontecendo e de repente a vida foi tomando novos rumos. Lembro-me quantas vezes olhei pelo olho mágico desse antigo lugar, na ânsia de que o hiato tivesse findado e eu pudesse ficar ali pra sempre. Afinal, aqueles consertos eram para receber quem nunca voltaria.

Sabe, acho que mudar faz bem. Muitas vezes nos condicionamos a estar no mesmo lugar de sempre, aquele que nos remete ao passado e quando menos esperamos estamos vivendo dentro dele. Aprisionados por sombras e representações de tudo que foi bom um dia. Vale a pena juntar as coisas, arrumar as malas, ir para o outro lado das colinas e perceber que há um outro abrigo aconchegante junto à lareira, com cobertas quentinhas, móveis novos, uma vista diferente da janela e um novo endereço. Essa casa não tem olho mágico e finalmente tudo que preciso está dentro dela. Sinto paz, mesmo sabendo que chove lá fora.

Promete que vai ficar?

O fogo estará aqui para acalmar nosso coração, iluminar a noite, nos aquecer e trazer paz. Amo estar nesse lugar, mas desse lado tudo é assombrado sem você.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s